Notícias
Ruralistas e ambientalistas duelam por Meio Ambiente

Militantes da área ambiental e a bancada ruralista do Congresso Nacional travam um embate nos bastidores do governo para influenciar o presidente Michel Temer na escolha do sucessor de Sarney Filho (PV) no Ministério do Meio Ambiente.

Valor Econômico - 06/03/2018
Por Vandson Lima


Militantes da área ambiental e a bancada ruralista do Congresso Nacional travam um embate nos bastidores do governo para influenciar o presidente Michel Temer na escolha do sucessor de Sarney Filho (PV) no Ministério do Meio Ambiente.

Por trás da disputa, está a possibilidade de aprovar, ainda este ano, a nova lei geral do licenciamento ambiental, cujo texto tramita desde 2004 e cujas intenções de cada grupo causam desconfiança de parte a parte.

O ministro, que deixará o cargo até abril para disputar o Senado, quer fazer o ex-deputado Edson Duarte seu substituto. Atual secretário de articulação institucional do ministério e com militância na área ambiental, Duarte será promovido a secretário-executivo nos próximos dias e seria uma continuidade à gestão Sarney.

A representatividade política, contudo, tem pesado mais contra que a favor de Duarte. Ele é um dos vice-presidentes do Partido Verde, que hoje tem apenas seis representantes na Câmara e está dividido no respaldo ao governo. Além disso, o próprio Sarney avalia deixar o PV, em busca de uma legenda mais forte para disputar a eleição - o PSD aparece como principal candidato a recebê-lo.

Já a Frente Parlamentar Agropecuária (FPA) quer emplacar um ministro considerado "mais simpático" às demandas do agronegócio e apontam dois nomes de sua preferência, ambos da Embrapa: Evaristo de Miranda, chefe-geral da Embrapa Territorial, e o presidente do órgão, Maurício Lopes.

Evaristo é defensor da tese de que o produtor rural é, na verdade, o maior responsável pela preservação do meio ambiente - o que agrada em cheio a bancada ruralista. "Evaristo merece o cargo, até como um tributo por toda sua trajetória. É um nome de enorme respeito e teria meu apoio", afirma o líder do PSDB e ex-presidente da bancada ruralista, Nilson Leitão.

Pesquisador respeitado no meio científico, Lopes assumiu o comando da Embrapa ainda no primeiro mandato da ex-presidente Dilma Rousseff e continuou no cargo após o impeachment. Ele tem sofrido, entretanto, críticas pontuais de ambientalistas por causa de manifestações recentes em defesa do agronegócio e enaltecendo a forma como técnicas empregadas pela pecuária bovina no Brasil estão reduzindo os impactos para mudanças climáticas. Tradicionalmente, a atividade é grande geradora de metano, um dos gases do efeito-estufa. O conceito de carne "carbono neutro" preconiza o plantio de árvores nas pastagens.

Após sinalizarem no ano passado um entendimento em torno do texto do novo licenciamento ambiental, ruralistas e ambientalistas voltaram a se desentender. A bancada da FPA insiste em duas mudanças que o atual ministro e ambientalistas não aceitam: que os Estados possam autorizar sozinhos o licenciamento de grandes obras, tirando essa prerrogativa da União - que só seria consultada em casos específicos de grande impacto - e o aval automático dos órgãos ambientais, como Funai e Ibama, caso não se manifestem no prazo.

Sarney Filho chegou a dar sinal verde à votação do projeto, com os ajustes feitos, mas mediante o compromisso de que não haverá destaques ou emendas nas discussões em plenário. Os ruralistas, contudo, se articulam para forçar as mudanças durante a votação no plenário. "O que não tiver consenso, que se apresente destaque e quem tiver voto, vence. É assim que funciona na democracia", alega Leitão. Por isso, os ambientalistas têm trabalhado contra a entrada da proposta na pauta. Na leitura da bancada do agronegócio, essa barreira cai com um ministro com quem tenha melhor interlocução.




Secretaria Executiva 

Associação Fórum de Meio Ambiente do Setor Elétrico – FMASE
Rua Paes Leme, 215 - Ed. Thera Office - Conj. 504
São Paulo - SP - 05424-150
Tel.: 11 3089-8800 ou BSB 61 3327-6042
www.fmase.com.br